Sentimos muito mas seu browser não é suportado pela Marsh.com

Para uma melhor experiência, por favor faça o upgrade para um dos seguintes browsers:

X

Notícias & Informativos

Desmantelando Estigmas: Vamos Falar Sobre Doenças Mentais

 


A periculosidade que as doenças mentais representam é subestimada no âmbito mundial. A gravidade manifestada como resultado da doença mental no mundo todo, além de sua representatividade midiática, continua sendo um problema que se agrava com o passar do tempo. Conforme New Herald, estima-se que no mundo todo, no mínimo 120 milhões de pessoas padecem de depressão e 50 milhões de epilepsia e existem cerca de 37 milhões de casos de Alzheimer e 24 milhões de esquizofrenia. Estas estatísticas revelam a necessidade iminente de tomar decisões importantes sobre a prevenção, cuidados e tratamentos destes males.

Estes casos aumentam a cada ano, deixando como marca a grave perda da qualidade de vida de milhões de pessoas, e seus familiares, em todo o mundo. No entanto, a previsão orçamentária das organizações governamentais (e privadas) ligadas à saúde mental continua sendo incrivelmente reduzida comparado a outras doenças, ignorando as graves consequências que este tipo de decisão pode gerar.

Os transtornos de saúde mental mais recorrentes são a depressão, a bipolaridade, a demência, a esquizofrenia, além de outras patologias relacionadas às deficiências intelectuais e transtornos do desenvolvimento.  A instabilidade mental dos pacientes pode chegar a desencadear uma das consequências mais dolorosas: o suicídio. As estatísticas são suficientemente alarmantes, pois só nos Estados Unidos, o suicídio é a oitava causa de morte e a cada 17 minutos uma pessoa tira a própria vida.

Todos estes diagnósticos são tratáveis e podem chegar a ser controlados e inclusive -em alguns casos- erradicados com o tratamento adequado e terapias para o paciente retomar a sua vida na normalidade desejada.
 

Dia Mundial da Saúde Mental: o que as empresas podem fazer a este respeito?

No dia 10 de outubro é celebrado o Dia Mundial da Saúde Mental, com o objetivo principal de chamar a atenção à importância da saúde mental, dos transtornos emocionais e comportamentais dos seres humanos. Conforme o mais recente Relatório Global de Tendências Médicas 2018 da Mercer Marsh Benefícios, a saúde mental é o terceiro fator de risco que faz com que os custos de saúde em planos coletivos se mantenham em alta.

Segundo a OMS, os transtornos por depressão e por ansiedade causam um custo à economia mundial de US$ 1 trilhão anual em perda de produtividade. Diante desta realidade, as empresas podem assimilar e implementar muitas medidas para promover a saúde mental no ambiente de trabalho e, assim, aumentar significativamente a produtividade do talento humano e a redução do absenteísmo laboral.

Enfatizando o papel das empresas em relação à saúde mental, a OMS e o Foro Econômico Mundial, recomendam que as intervenções no local de trabalho tenham um foco tripartite:

  • Proteger a saúde mental, reduzindo os fatores de risco relacionados ao trabalho.
  • Promover a saúde mental, desenvolvendo os aspectos positivos do trabalho e as qualidades e capacidades do pessoal.
  • Tentar resolver os problemas da saúde mental, independentemente de sua causa.
  • As empresas também podem adotar as seguintes medidas para fomentar um ambiente laboral saudável:
  • O trabalho é atribuído em função da capacidade de cada colaborador, promovendo a flexibilidade na localização e no tempo para a sua realização.
  • O colaborador conhece as suas funções e responsabilidades de modo claro desde a contratação.
  • O colaborador sente-se livre para exercer o seu trabalho sem assédios, ameaças ou opressões do supervisor.
  • O ambiente de trabalho promove uma comunicação transparente e livre de conflito.
  • O local de trabalho é mantido limpo e em condições que motivam e facilitam o trabalho.
  • Aplica-se uma política de tolerância zero em relação ao assédio, a intimidação ou à discriminação de qualquer índole (racial, sexual, ideológica, religiosa ou de gênero).
  • Promove o equilíbrio entre a vida laboral e a vida privada, garantindo a possibilidade de cumprir com as responsabilidades alheias ao local do trabalho.
  • Os gerentes têm formação em áreas de liderança e da motivação laboral.
  • A empresa cuida da saúde emocional dentro e fora da mesma.
  • A empresa tem ciência das necessidades de cada trabalhador e das oportunidades das quais dispõe, com a finalidade de elaborar melhores politicas em matéria de saúde mental no local de trabalho.
  • A entidade comunica claramente quais são as fontes de apoio às quais as pessoas podem recorrer para pedir ajuda.