Sentimos muito mas seu browser não é suportado pela Marsh.com

Para uma melhor experiência, por favor faça o upgrade para um dos seguintes browsers:

X

Notícias & Informativos

Como proteger a saúde mental dos seus colaboradores durante o coronavírus

 


O impacto da covid-19 sobre a saúde mental da força de trabalho não deve ser subestimado. Os empregadores que podem transmitir ao seu pessoal um senso de propósito e convidá-los a enfrentar o desafio não somente lhes darão um senso de direção que protegerá a sua saúde mental, mas também permitirão que eles ressurjam mais fortalecidos da crise em decorrência disso.

Um instrutor de ioga termina uma aula transmitida ao vivo pelo Zoom, a plataforma on-line para videoconferência, em meio ao surto do coronavírus. Tipos de personalidade introvertida e aqueles acostumados a trabalhar em casa realmente aceitam de bom grado as oportunidades que isso proporciona para que vivam um estilo de vida mais saudável, em termos de serem capazes de preparar uma comida mais saudável em casa e fazer exercícios durante o dia.

As medidas extremas adotadas para limitar a disseminação do coronavírus transformaram o local de trabalho como nunca antes. Forças de trabalho inteiras agora devem trabalhar de casa, pessoas que um dia tinham trabalho a fazer foram subitamente afastadas, sem nada a fazer no outro dia, e setores inteiros foram parando aos poucos.

O impacto disso sobre a saúde mental da força de trabalho não deve ser subestimado. Enquanto nos agarramos naturalmente a detalhes técnicos para o confronto com novas formas de trabalhar necessárias no momento, é importante não negligenciarmos o impacto psicológico que isso está causando aos colaboradores e gestores, ou deixarmos de instalar medidas para ajudar a que lidem com isso.

De acordo com a pesquisa psicológica, há quatro elementos que são essenciais na construção da resiliência necessária para permanecer saudável sob pressão. Conhecidos como os 4Cs, são eles: a nossa necessidade de interação positiva com terceiros (comunidade), o desejo de se sentir parte de algo importante (comprometimento), a chance de fazer um esforço sem se sentir massacrado (desafio) e a necessidade de manter um senso de controle sobre a nossa vida diária (controle).

Criar um senso de controle

Com o coronavírus forçando os governos a assumir o controle sobre o trabalho das pessoas, como elas devem socializar e até quando podem e não podem sair de casa, a nossa necessidade psicológica de controle está sendo gravemente comprometida.

Os empregadores podem devolver algum senso de controle tentando não ser tão autoritários, por exemplo, permitindo que os pais que agora também enfrentam o desafio do estudo em casa tenham horários flexíveis de modo que possam continuar a trabalhar enquanto atendem a esta pressão adicional, embora humanamente possível. Eles também podem lembrar às pessoas sobre os benefícios de estruturar o seu dia para manter um senso de controle sobre como organizam o seu trabalho e o horário das refeições ou dos exercícios de cada dia.

Mesmo aquelas pessoas que foram afastadas ganharão muito se mantiverem um senso de estrutura durante o seu dia. Essas pessoas estarão oscilando entre ter tido o trabalho que tentavam executar e suas conexões com os colegas de trabalho subitamente rompidas, e podem facilmente sentir que a sua vida está fora de controle e de repente sem propósito.

Aqueles que gostam do trabalho árduo se beneficiarão ao continuar a levantar e trabalhar em alguma coisa, seja uma nova habilidade que possa beneficiar a sua carreira no futuro, um projeto beneficente ou dominar um instrumento musical ou idioma que sempre quis aprender.

Uma das maneiras mais poderosas de proteger a saúde mental das pessoas nos tempos de hoje é fazendo com que elas vejam a covid-19 como algo que podem ajudar pessoalmente a combater.

Todos devem ser encorajados a permitir um tempo para coisas que nos deixam felizes, como realmente conversar com amigos e familiares em vez de apenas enviar textos, conectar-nos com o mundo exterior quando possível, comer alimentos saudáveis, fazer exercícios e descansar o suficiente. A pesquisa da felicidade descobriu que ajudar ao próximo é a melhor maneira de lutar contra a solidão. 

Manter um senso de comunidade

Diferentes personalidades responderão ao desafio de se distanciar das pessoas e precisar trabalhar afastadas dos colegas de diversas maneiras.

Tipos de personalidade introvertida e aqueles acostumados a trabalhar em casa realmente aceitam de bom grado as oportunidades que isso proporciona de viver um estilo de vida mais saudável, em termos de ser capaz de preparar uma comida mais saudável em casa e fazer exercícios durante o dia. Tipos de personalidade extrovertida que precisam rebater ideias de terceiros para a sua inspiração podem se esforçar e devem ser encorajados a encontrar os colegas para cafés virtuais e usar sites de networking social para manter conexões sociais.

Os aplicativos digitais de bem-estar no local de trabalho também podem ajudar as pessoas a se concentrar em seu bem-estar social junto com outras metas de saúde. Por exemplo, permitindo que as equipes estabeleçam metas de bem-estar compartilhadas, como sair para uma caminhada diária ou fazer parte de um grupo de dança ou oficina de mindfulness ao mesmo tempo em que intensificam a saúde social e também física.

Os gestores também devem verificar com as pessoas as trajetórias de saúde mental criadas como suporte para aqueles que lutam com a solidão, ansiedade, violência doméstica ou mesmo pensamentos suicidas. Não é suficiente ter um serviço como o Programa de Assistência ao Empregado (EAP) que oferece sessões gratuitas de aconselhamento ou algo similar e gestores compreensivos caso a empatia não esteja combinada com o ato de conduzir aqueles que exibem sinais de angústia até os recursos adequados.

Dar significado durante a crise

Uma das maneiras mais extraordinárias de proteger a saúde mental das pessoas nos tempos de hoje é fazer com que elas vejam a ameaça do coronavírus como algo que podem ajudar pessoalmente a combater, em vez de se permitir afundar em uma atitude derrotista.

Viktor Frankl, sobrevivente de Auschwitz, foi capaz de suportar as experiências mais horríveis e desumanas graças à sua observação de que a principal diferença entre aqueles que sobrevivem e aqueles que não o fazem era um senso de propósito. Já um experiente psiquiatra antes de sua prisão, ele começou a rabiscar seus pensamentos sobre a importância do significado em pedacinhos de papel, visualizando o livro que escreveria um dia.

O livro que nasceu dali, Man’s Search for Meaning (O Homem em Busca de um Sentido), levou a uma nova escola de psicoterapia que dava destaque à importância do significado na sustentação da boa saúde mental, mesmo nas situações mais desesperadoras. É por isso que as pessoas que perderam um ente querido criam uma obra de caridade em nome dele para dar significado à tragédia, é por isso que milhares de pessoas se voluntariam a cozinhar refeições para os exaustos trabalhadores de assistência à saúde, a entregar medicamentos para as pessoas idosas que precisam ficar em casa e até a se oferecem para tomar parte de ensaios clínicos essenciais.

O desejo fundamental que temos de estar ligados a algo maior do que nós mesmos é o motivo pelo qual os governos mudaram as suas comunicações sobre o coronavírus, passando não só a dizer às pessoas o que devem fazer, mas também a dizer o motivo pelo qual isso protegerá os outros. Isso funciona porque, em tempos de crise mais do que em qualquer outra situação, o nosso desejo natural de ajudar vem à tona.

Os empregadores que podem transmitir ao seu pessoal um senso de propósito e convidá-los a enfrentar o desafio não somente lhes darão um senso de direção que protegerá a sua saúde mental, mas também permitirão que eles ressurjam mais fortalecidos da crise em decorrência disso.

Artigo publicado por Wolfgang Seidl, sócio da Mercer.

O Dr. Wolfgang Seidl é sócio da Mercer e chefia o Workplace Health Consulting no Reino Unido e na Europa. Ele aconselha organizações sobre estratégia de saúde e bem-estar, modelos integrados de assistência à saúde, análise de dados e intervenções proativas, como programas de resiliência.